Engata Terceira, um programa do Águias de Cristo

Por Elias Bispo

Há quase 30 anos, por iniciativa do Rev. Edijéce Martins Ferreira, pastor emérito da Igreja Presbiteriana da Madalena, em Recife, PE, foi organizado o Ministério da Terceira Idade, denominado Águias de Cristo.

Dia das Mulheres

As programações do Águias de Cristo são diversificadas e abrangem aspectos espirituais, evangelísticos, missionários, culturais, musicais, esportivos e recreativos, buscando-se a interação intergeracional e com outros ministérios da comunidade.

Essas atividades foram interrompidas em decorrência do distanciamento social imposto pela pandemia da Covi-19, ensejando o desenvolvimento do Programa de Assistência a Terceira Idade, Engata Terceira.

Foram consideradas algumas linhas mestras como consolidação da cosmovisão cristã, assistência espiritual e material, manutenção das amizades, estilo de vida saudável e, na medida do possível, com a flexibilização das regras de isolamento, o retorno à igreja.

Culto da Terceira Idade

A população idosa da Madalena é composta por cerca de 130 idosos, com idades entre 60 a 100 anos, sendo 89 mulheres e 41 homens, distribuídos nas seguintes faixas etárias:

  • 90 – 2 idosos
  • de 80 a 89 – 25 idosos
  • de 70 a 79 – 44 idosos
  • de 60 a 69 –  59 idosos

O Engata Terceira exigiu a elaboração de um plano de ação que possibilitasse a assistência com base nas seguintes premissas:

  1. Mobilização dos irmãos interessados em participar da ação de várias faixas etárias, em especial os mais jovens;
  2. Fazimento de pelo menos um contato mensal com todos os idosos;
  3. Realização de contatos por telefone com o objetivo de se atingir toda a população de idosos;
  4. Remessa de mensagens físicas a essa membresia, que corresponde a 25% da comunidade;
  5. Fazê-los se sentir prestigiados e não esquecidos pela igreja, comemorar o Dia do Idoso;
  6. Levantar as necessidades dos contatados, com consolidação e repasse das informações ao Conselho e Junta Diaconal, quando necessário.
Atividade laboral

Passada a pandemia, o Águias de Cristo retornou as suas atividades com muita força, colhendo-se bênçãos como a manutenção da identidade do grupo, a abertura de um diálogo intergeracional entre aqueles que participaram do projeto; comunhão entre os idosos e os jovens; o resgate do sentimento de pertencimento a comunidade; a alegria de sentir integrante do Corpo de Cristo.

Elias Bispo é contador, atua na área financeira há 44 anos, educador financeiro, servidor público, casado com Mércia (psicóloga) há 42 anos, um casal de filhos, três netos, presbítero na Igreja Presbiteriana Madalena.

Não tenho medo da morte

Thomas Hahn escreve com o coração sincero este depoimento na “última idade”. Com 88 anos, ele celebra as dádivas de Deus e a igreja em que está inserido – mesmo em meio a muitas dificuldades. 

A Igreja de Cristo tem um mandato muito especial. Fundada e encabeçada por Jesus, que vive e reina para sempre, ela encontra sua razão de ser na formação de discípulos imitadores de Cristo. É neste contexto que gostaria de relatar minha experiência com a igreja da qual sou membro – por coincidência, desde que me tornei idoso.

É difícil precisar o momento em que nos tornamos idosos. Está mais para processo do que para momento. A parte física foi mais definida? Primeira cirurgia de coluna aos 72, a segunda aos 75, resultando em perda definitiva da capacidade de andar. Aos 76, aposentei-me do meu trabalho como corretor de seguros. Alguns anos depois, um erro médico prejudicou minha capacidade de ler: hoje me limito a poucas páginas diárias com o auxílio de lupa. Dirigir, não mais, à exceção da minha rua, que tem supermercado, farmácia – e, a cereja do bolo, minha igreja, a 200 metros do meu condomínio.

As vicissitudes da nossa economia conseguiram reduzir minha aposentadoria de uma zona de relativo conforto para um salário mínimo. Idem para minha esposa. Minhas contas – ah, como eu gostaria de reduzir meus gastos farmacológicos! – são custeados por meus filhos; é claro, portanto, tenho que controlar da melhor forma possível o que, quanto e como gasto.

Sou, então, um exemplo acabado de um idoso dependente, que passa a maior parte do tempo sentado em casa. E aí vem a surpresa: não estou deprimido – pelo menos não mais do que o justificado pelo noticiário do jornal! Por que será?

Em primeiríssimo lugar, porque pela bondade de Deus, tive, como primeiro efeito da minha conversão aos 38 anos, a perda de qualquer medo da morte. A vida eterna é uma realidade que se enraizou no meu ser – e esta lição aprendi na igreja, no ensino bíblico.

Minha convicção foi testada duas vezes com paradas cardíacas, nenhuma das quais me deixou com sequelas de ansiedade quanto à duração da minha vida. Conclusão: tenho vivido minha terceira (e última) idade sem medo da morte, sem angst, sem sofrimento espiritual, mesmo que severamente cerceado em possíveis atividades.

Como consequência desta minha fé, conversei com meu Deus, nos seguintes termos: “Não estou reclamando, ou me queixando, mas, para ser bem sincero, eu não estou curtindo ficar por aqui, só aguardando meu nome ser chamado. Mal posso esperar pelo que tens preparado para mim. Então, eis o que proponho: eu topo ficar por aqui, desde que possa, de alguma maneira, servir-te, servir ao teu Reino. Pode ser?” Creio que Deus aceitou esta proposta meio idiota, feita há uns 15 anos. Na minha igreja preguei, toquei piano, criei um grupo de homens, aconselhei, ministrei à solidão dos pastores – e, em dezembro de 2023, sem ter o menor preparo formal, fui ordenado pastor da igreja! Igreja Batista, ainda por cima – e tem crente por aí que não crê em milagres… E tudo ocorreu dentro das minhas limitações físicas.

É bem verdade que a atitude da igreja para com minha faixa etária teve muito a ver com sua visão, sua maneira de ser. Não estamos engajados em crescimento numérico, excelência, show-business e outras métricas pelas quais várias igrejas se pautam. Reforçamos, sempre que podemos, nossa identidade como família: irmãos e irmãs, filhos do mesmo Pai. Sou irmão mais velho, mas irmão, não um ET. Existe respeito – mas aí, tem que ser mútuo, não é?

Thomas Hahn e Christine

Conclusão: A Igreja tem uma parcela importante de contribuição para o bem-estar espiritual do idoso. Primeiro, criando uma cultura de inclusão; segundo, cuidando do ensino quanto à morte e vida eterna do crente. E ao crente, cabe se colocar à disposição de Deus para sua obra, confiantes num Deus que conhece nossas limitações. Ser aposentado da fé é privar-se da vida!

Thomas Hahn, 88 anos, casado com Christine há 60, pastor da Igreja Batista da Granja Viana, em Cotia, SP.

Crédito da imagem: Unsplash

O Grupo 60+ na Igreja Batista da Redenção em Belo Horizonte, MG

Autocuidado, cuidado mútuo, aceitação, segunda carreira, conexões

Os 60+ em movimento

Por Xênia Marques Lança de Q. Casséte

Logo após a fundação do Movimento Cristão 60+ (MC 60+) em 2022, alguns membros da Igreja Batista da Redenção (Redê), em Belo Horizonte, MG, apresentaram o Movimento para o Colegiado de pastores e receberam todo apoio para a criação do Grupo 60+ na igreja. A estratégia foi convidar os interessados a estudarem juntos, dentro do programa de capacitação da igreja, o Escola de Cristo, o livro Aprender a Envelhecer, do médico-psiquiatra cristão, Paul Tournier, publicado pela Editora Ultimato. O grupo foi composto por dezessete pessoas que se encontraram presencialmente sete vezes, no primeiro semestre de 2023, para fazer estudos que proporcionaram excelente aprendizado, edificação e comunhão.

Desde então, o movimento 60+ se tornou conhecido pela comunidade da Redê e os mais jovens já estão cientes de que aprender a envelhecer deve começar bem antes da velhice.

Um grupo de jovens casais, liderados pelo pastor Luiz Felipe também estudou o livro de Tournier, em 2023.

E neste ano, o Grupo 60+ da Redê tem programado atividades para incluir toda a comunidade e outras pessoas que se interessarem, seguindo a missão do MC 60+, que é “impulsionar os 60+, aposentados ou não, a desenvolverem uma segunda carreira e o autocuidado, a continuar a dar frutos ao longo do processo de envelhecimento”. Inspirado no livro Aprender a Envelhecer, o grupo vai trabalhar seguindo as áreas de autocuidado, cuidado mútuo, aceitação, segunda carreira, conexões.

A partir das conversas do grupo foram definidas as atividades para 2024, que incluem palestras e rodas de conversa com profissionais da saúde integral, do direito, fisioterapia preventiva, passeios e visitas a espaços culturais e naturais, viagens, sessões de cinema, encontros intergeracionais na comunidade de fé, oficinas de arte, culinária nutritiva, visitas domiciliares e a hospitais, encontros informais e estudos de livros, que já estão acontecendo neste primeiro semestre: A Missão da Mulher e Aprender a Envelhecer, ambos de Paul Tournier.

Visando ao autocuidado, está agendada para o mês de maio, a participação de dois psicólogos, membros da Redê, que farão uma palestra e, em seguida promoverá uma roda de conversa com os presentes. O grupo 60+ da Redê está muito unido e motivado, compreendendo a realidade político-social e econômica, a promover melhor compreensão da velhice e seguir olhando para Jesus dando frutos também nesta estação da vida.

Xênia Marques Lança de Q. Casséte, jornalista, faz parte da equipe do Coletvo Bereia de Checagem de Notícias e é voluntária do Movimento Cristão 60+.